solideogloria

 

Menu

Links


 
Juiz de Fora - MG
Juiz de Fora - MG

EXEGESE.
Exegese é o estudo cuidadoso e sistemático de um texto para comentários, visando o esclarecimento ou interpretação do mesmo. É o estudo objetivando subsidiar o passo da interpretação do método analítico da hermenêutica. A exegese nos subsidia a descobrir o significado original que foi pretendido pelo autor de determinado livro. É a tentativa de escutar, em meio a tantas vozes no mundo pós-moderno, a Palavra de Deus conforme os destinatários originais devem tê-la ouvido e entendido; descobrindo qual era a intenção original das Palavras da Bíblia.
1. Definição de Exegese.
Creio que é de suma importância definir um termo antes de usá-lo. Fazendo isso teremos uma melhor apreensão do assunto que engloba o termo definido. Afirmo que é de grande utilidade a definição de um termo visto que alguns problemas deixam de existir quando os termos envolvidos são definidos com cuidado. Mas, quando definimos os termos, não podemos negligenciar o sentido e propósito dos conceitos definidos.
A palavra exegese vem do grego exégesis (e0ch/ghsij, “narração”, “exposição”, “exegese”), do verbo e0c (e0k) e de h9ge/omai (e0chge/omai), significa conduzir, guiar, dirigir, governar; explicar pormenorizadamente, interpretar. A exegese é a extração dos pensamentos que assistiam ao escritor sagrado quando este redigia determinada porção da Escritura.

2. Pré-requisitos para uma boa exegese.
a) Tenha uma vida afinada com o Espírito Santo, pois Ele é o melhor interprete da Bíblia – (Jo 16.13; 14.26; I Cor 2.9 e 10; I Jo 2.20 e 27);
b) Vá você mesmo diretamente ao texto não permitindo que alguém pense por você, evitando assim a dependência de outra pessoa para que você desenvolva ao máximo o seu potencial próprio.
c) Procure o significado de cada palavra dentro do seu contexto. Deve ser tomado conforme o sentido da frase nas Escrituras, porque as palavras variam muito em suas significações.

3. Regras da Exegese.
A exegese é a ciência da correta interpretação das Sagradas Escrituras e possui as suas próprias leis de interpretação, que devem ser entendidas e aplicadas corretamente para se descobrir o sentido exato de determinada passagem bíblica.
As Regras da Exegese resumem-se a quatro classes:
3.1: Regras gerais de exegese
a) Parta sempre do princípio de que a Bíblia é a Palavra de Deus, infalível, inerrante, inspirada pelo Espírito Santo, e que por isso ela tem autoridade e suficiência.
b) A Bíblia é o melhor intérprete da própria Bíblia, por isso a Bíblia explica e interpreta a própria Bíblia.
c) A fé salvadora e a ação do Espírito Santo são imprescindíveis para a compreensão e interpretação exata das Sagradas Escrituras (I Co 2.13-16).
d) Os fatos e exemplos bíblicos somente terão autoridade quando amparados por uma ordem expressa, um mandamento.
e) Devemos interpretar as nossas experiências pessoas à luz das Sagradas Escrituras, e não interpretar as Sagradas Escrituras à luz das nossas experiências pessoais.
f) A Bíblia, inspirada por Deus com a finalidade de mostrar o caminho da salvação a todos quantos crerem, não é um compêndio para aumentar os nossos conhecimentos. Mas, tem como objetivo de nos fazer “sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus”, nosso Senhor (II Tm 3.15).
g) O cristão tem o direito de pesquisar e interpretar pessoalmente a Bíblia Sagrada, desde que respeite as regras da exegese bíblica.
h) Os fatos, os acontecimentos e a própria história da Igreja cristã são muito importantes, mas nem por isso constituem-se numa regra infalível para a exegese bíblica .
i) Todas as promessas bíblicas estão em disponibilidade, através do Espírito Santo, a todos os cristãos de todos os lugares e em todo o mundo (lembremos dos três povos visados pelas Escrituras Sagradas – judeus, gregos e Igreja = I Co 10.32).
j) Não existem traduções perfeitas, em nenhuma língua, por isso devemos buscar sempre a língua original: o hebraico, para o Antigo Testamento, e o grego, para o Novo Testamento .

3.2: Regras gramaticais de exegese
a) A Bíblia tem um único sentido, e em princípio deve ser tomado literalmente.
b) Devemos interpretar o sentido das palavras no tempo em que o autor escreveu.
c) Não devemos interpretar uma palavra isolada do texto e do contexto.
d) A passagem deve ser interpretada em coerência com o contexto e com toda a Bíblia.
e) A passagem deve ser figurada, e não literal, quando se usa um objeto inanimado na descrição de uma pessoa.
f) A passagem deve considerada figurada quando a descrição não define rigorosamente a coisa descrita.
g) Somente as partes principais de uma parábola devem ser conclusivas para a realidade, e não as secundárias. Não se deve ater-se a detalhes, mas se sim na verdade que está sendo ilustrada pela estória.

3.3: Regras históricas de exegese
a) A Bíblia originou-se dentro de um contexto histórico e por isso deve ser interpretada à luz da história, especialmente a histórica bíblica.
b) Para se entender corretamente o sentido da palavra do autor de determinada porção bíblica, deve-se entender o contexto histórico em que o autor a escreveu.
c) Entre o aparecimento do primeiro livro da Bíblia e o último, houve um lapso de aproximadamente 16 séculos ou 1.500 anos. A revelação de Deus, tanto no Antigo Testamento quanto no Novo Testamento, foi progressiva e desenvolvida na história dos homens em diferentes circunstâncias, lugar e etc., porém, mesmo assim, as Escrituras formam uma unidade coesa – é por isso que falamos de unidade na diversidade.

3.4: Regras teológicas de exegese
a) Para compreender a Bíblia teologicamente, devemos antes verificar as regras gerais de exegese, bem como as gramaticais e históricas.
b) Para entender a Bíblia teologicamente, devemos considerar o Antigo Testamento e o Novo Testamento como uma unidade.
c) Quando duas doutrinas bíblicas parecerem contraditórias, devemos aceitar ambas como verdadeiras, até posterior confirmação em outra unidade. Não que haja contradição, mas o problema se desenvolve em nossa limitada e finita compreensão de tais doutrinas. Devemos diferenciar três palavras: Mistério, Paradoxo e Contradição.

4. Aplicação da exegese.
Fazendo uma boa exegese evitaremos as ciladas ao longo do caminho. E a chave para alcançarmos, é aprender a ler cuidadosamente o texto e fazer as perguntas certas ao texto .
A aplicação da exegese é realizada a partir das indagações básicas sobre o contexto e o conteúdo do texto em exame.
Este estudo é desenvolvido sob as indagações de um contexto histórico e literário.

4.1. Contexto
Há uma dupla classificação do contexto que se deve observar: Contexto Histórico e Contexto Literário.
a) Contexto Histórico:
O contexto histórico se ocupar em estudar: a época e a cultura do autor e dos seus leitores, ou seja; os fatores geográficos, topográficos e políticos que são relevantes ao âmbito do autor; e a ocasião do livro, carta, salmo, oráculo profético, ou outro gênero. Todos os assuntos deste tipo são especialmente importantes para a compreensão. Destacamos que o contexto histórico diferirá de livro para livro.
b) Contexto Literário:
Essencialmente, o contexto literário significa que as palavras somente fazem sentido dentro de frases, e, na sua maior parte, as frase na Bíblia somente têm significado em relação às frases anteriores e posteriores


 
 
Buscando Uma Igreja Modelo
Leitura Seleta: At 3.1-4.
- CINCO
 
Casa de Deus, Lugar Sem Igual

Leituras Seletas Gn 28.16-17; Sl
 
Algumas Obras de Deus o Pai
MENSAGEM DE DEUS
TEMA
(Alg